Publicidade

segunda-feira, 28 de julho de 2014

DESEJO

Eu amo comprar coisinhas pra cozinha, mesmo não usando quase nada a minha! Eu gostaria muito de poder cozinhar todos os dias pro meu amor, mas a vida não me reservou esse luxo, pelo menos por enquanto. 

Fiz uma seleção dos meus queridinhos da MUMA para cozinha. E vou começar pelo mais legal:

O porta temperos Cylindra:


Pode usar os furinhos...

Ou esse buraquinho maior. 

Economiza espaço e tem um shape bem moderno.

Esse prato de bolo é uma lindeza! Pegadinha vintage, lindo pra compor uma mesa de café da tarde bem especial pro maridão!

E ele tem um irmão, igualmente fofo:


Também estou desejando esse galheteiro de pinguins reais:

Ele solta o azeite pela boquinha! *-*

E tem a versão mais simples e mais barata, sem o ouro da coroa: 


E por último, esse porta papel-toalha, pro dia a dia:

Eu já tenho os irmãozinhos desse, o saleiro e o pimenteiro que mostrei aqui.

Esses bonequinhos têm uma vibe tão legal. Todo mundo sorri quando olha pra eles aqui em casa! 

Se você gostou de algum produto mostrado aqui ou no site da MUMA, sorria, pois você, minha cara leitora, tem 10% de desconto pra comprar lá! =) É só usar o nosso cupom de desconto: 
CASADA10OFF 


Marido também ama cozinhar. Cozinha compartilhada nos feriados!




SOMOS INSTANTES




"Neste final de semana aconteceu coisa engraçada: uma amiga está super apaixonada por um carinha, mas não sabe muito bem quando vai encontrar com o moço ou não. Aquela coisa de pré-romance, sabe? Eles ainda nem ficaram direito, mas o coração acelerou. Fazer o que? Sentir, ora bolas.

Sexta-feira teve festa. Ela não sabia se encontraria o rapaz e, na dúvida, resolveu guardar o melhor vestido para um dia de certeza. Mas aí eu pergunto: certeza de quê, se a única coisa que a gente não pode duvidar é do momento que estamos presenciando? Se sabedoria é ter o presente como objeto maior da vida, que vantagem se leva em adiar o instante?

Sei que é maluquice dar tanto valor pra algo que existe apenas por um momento (no caso, o agora), mas eu realmente acho que qualquer possibilidade de memória merece um esforço sério. Dito isso e, ainda sem chegar ao final do post, já concluo o pensamento: a gente tem que estar preparada pro destino. E o destino, minhas queridas amigas, costuma ter senso de humor. Aparece mais numa segunda-feira chuvosa do que no sábado a noite com o look impecável e o salão de beleza em dia.

Destino não sabe o que é ocasião especial, nem dress code, nem unha feita ou escova modelada. Ou pior: sabe! E gosta de se fazer perceber justamente quando estamos sem muletas e a única coisa que podemos contar é justamente com a nossa personalidade.

Não. A amiga não esbarrou com o tão sonhado príncipe (ainda). Mas naquela noite ela teve um ótimo encontro com alguém tão, ou mais importante que ele: ela mesma. E nem a personalidade, nem o look estavam em dia… Por isso, querida, vista sua camisa favorita hoje! Se matricule naquela pós graduação que você está enrolando agora! Clique no Google, procure o link. Faça online mesmo. Use uma joia legal pra se encontrar com a amiga de infância, estreie seu jogo novo de talheres com o marido em plena terça-feira…

Todo instante é uma ocasião especial, e a gente tem que aprender urgentemente a guardar só o que é pra ser guardado mesmo: lembranças, bilhetes, sorrisos, memórias… O resto, tem mais é que ser usufruído!"

Texto de Helô Gomes, Sanduíche de Algodão.


Marido é um pouco de guardar as coisas também... mas estou tratando isso com ele!

segunda-feira, 21 de julho de 2014

HORTINHA

Você sabia que muitos alimentos que consumimos, e jogamos fora, podem ser replantados - PRA SEMPRE?  Pois é, então a melhor coisa a se fazer, para o bem da natureza, do seu bolso, e da sua saúde é apostar em mini-hortas. Separei uma lista dos alimentos mais interessantes para replantar.

Cebolinha:

Quando for usar a cebolinha, separe toda a parte branca e mais um pedacinho da parte verde. Coloque dentro de um copo com água, cobrindo cerca de 2,5 cm (a parte branca). Deixe num local ensolarado e dentro de poucos dias, terá cebolinhas novas para usar e não precisará mais comprar. Troque a água todos os dias. Se tiver um quintal, também poderá replantar e terá mais cebolinhas que qualquer Mônica poderia aguentar, até para dividir com amigos, vizinhos e família.

Manjericão: 

Separe mais ou menos três pares de hastes, corte-as com uns 10 a 15 cm, escolha as mais bonitas, retire as folhas da parte de baixo, também as flores, deixando apenas algumas folhas na parte superior. Coloque num copo de vidro com água até a metade e deixe num lugar ensolarado, trocando a água de dois em dois dias. Depois, quando as raízes estiverem com o tamanho de 2 cm  é hora de replantar num vaso médio, grande ou numa floreira, pois ele precisa de espaço e de sol. Assim terá manjericão por um ano sem problemas, para molhos pesto, pizzas marguerita e qualquer outro prato.

Hortelã:

Funciona da mesma forma que o manjericão. Depois precisa ser plantada também em um vaso maior e com furos em baixo, pois necessita de solo drenado e de muita água. Em nenhum momento a terra poderá ficar seca. Então cuidado com o sol da tarde. 

Alecrim:

Faça o mesmo processo inicial do Manjericão e da Hortelã. Depois plante os galhinhos em um vaso com furos em baixo para drenar a água, numa mistura de 2/3 de areia grossa e 1/3 de terra musgo. Ele não curte muita água, então não regue demais, mantenha-o num local ensolarado. Vá cortando os galhinhos quando precisar, depois replante de novo. Essa técnica pode ser usada com outros temperos, como o coentro.

Alface Romana:

Poderá partir também para o cultivo hidropônico. Basta pegar a cabeça da alface, aquela que ia jogar fora, e colocar numa vasilha com água. Troque a água sempre que necessário. Não terá aquele alfação, mas será o seu alfacinho bem bonitinho.

Aipo (salsão):

Muito usado hoje nas sopas de regime e sucos detox, então é melhor replantar para não ficar gastando dinheiro. É só cortar lá no talo, uns 5 cm, e deixar numa vasilha com água, trocando sempre (ou use um copo cheio de água). Umedeça também a parte de cima da planta para não ressecar. Deixe num local ensolarado. Vai ver que folhinhas amarelinhas brotarão no centro, depois ficarão verdes. Após 5 a 7 dias de completo brotamento das folhas, passe para um vaso com uma boa mistura de terra e furos para drenar a água e, em breve, terá talos de salsão para seus pratos e sopas.

Alho-poró:

Da família da cebolinha, também brota fácil na água. Corte o talo com a parte da raiz, uns 5 cm, e coloque num recipiente, não muito fundo, ou apoie com dois palitos, um de cada lado, com água até o começo da raiz e vá cuidando para que não evapore e seque. Se for época de temperatura baixa, poderá manter na água mesmo, mas se for verão, replante num vaso com terra preparada, após criar as raízes. E as folhinhas brotarão, brotarão...

Cebola:

Com a extremidade da raiz descartada da cebola, faça a mesma técnica da água que a cebolinha, e tantas outras que citei. Então, após aparecer as raízes, coloque ao sol em um vaso com terra de qualidade ou diretamente no solo do lado de fora. 

Boa saúde e boa colheita!!

Fonte: SOS Solteiros

Marido e eu não comemos nada disso, mas fica a dica! =)

quinta-feira, 17 de julho de 2014

SOBRE COPA DO MUNDO E CASAMENTO

A Copa do Mundo 2014 acabou. É incrível perceber que, até quem não curte muito futebol (eu e o marido estamos nesse time), acaba por se envolver, em algum nível, com esse mega evento. Apesar de não ser nosso esporte (ou entretenimento) predileto, nós torcemos, curtimos, nos emocionamos e, no fim, rolou até aquela decepção com pitadas de frustração por uma vitória que era tão esperada e que ficará engasgada por mais quatro anos.

A copa acabou, e agora? Podemos extrair lições do que vimos? Li em algum lugar que a Alemanha venceu a presunção argentina e a indisciplina brasileira, mas o que de fato aconteceu foi: venceu o melhor. Sabemos que ser eliminado de um evento desse nível é muito triste. Podemos até chorar por alguns dias, mas isso passa. Me parece até meio irracional. Por que choramos? O que de fato perdemos? Claro que ganhar é bom. Isso é apenas um jogo de futebol e passa. Agora, não podemos permitir esse tipo de negligência quando é o nosso casamento que está em jogo. E, mesmo que outros jogadores façam parte do jogo da nossa vida (filhos, parentes, amigos, etc), os principais craques em campo são os cônjuges, nessa grande partida chamada Casamento.



Qual o nosso desafio? Não perder o foco. Não podemos perder o referencial do que é mais importante. Precisamos aprender a valorizar a simplicidade do jogo, sem a utilização de artimanhas, cumprindo bem as orientações do treinador (Deus), na tarefa para a qual fomos escalados. Não podemos viver de maneira displicente ao ponto de dizermos: “Meu Deus, o que foi que eu fiz com o meu casamento? Por que eu tratei meu marido daquele jeito? Por que eu não trabalhei menos e cuidei mais do meu lar e da minha família? Ou, por que não trabalhei mais para ajudar em casa? Por que deixei de ser verdadeira muitas vezes com aqueles que estão ao meu redor? Por que deixei chegar nesse ponto?”. Mais cedo ou mais tarde - se descuidarmos -  iremos nos fazer essa cobrança.

A Copa do Mundo acabou, mas o jogo da vida segue… Somos esposas, filhas, mães, amigas e outros tantos papéis que precisamos desempenhar todos os dias. E assim como na Copa, se não formos disciplinadas em todas as áreas, seremos atropeladas a qualquer momento por um 7x1.

Assim como o time do Brasil, um casamento sólido não sobrevive de teorias. O que um dia foi bom pode deixar de ser, basta relaxarmos e pararmos de exercitar diariamente. Bons relacionamentos exigem, além de esforço, um bom caráter. E caráter não nasce pronto, ele é aperfeiçoado durante toda a nossa vida. É necessário nos depararmos com nós mesmos, confrontarmos a nós mesmos, buscarmos respostas que, sinceramente, somente em Deus, poderemos encontrar.

O que Jesus fazia, ao encontrar as pessoas, era exatamente despertar nelas uma autoanálise. Jesus transformava o caráter de muitas pessoas pois ele dava o exemplo. E não somente dava o exemplo, mas Ele era um homem que inquietava, provocava perguntas, mas Ele as respondia. Quando as pessoas estavam diante dEle, olhavam para Ele, para as suas propostas, para seu caráter, o que mais admiravam era o jeito dele ser gente. Era inevitável que as pessoas não se perguntassem: por que eu não posso viver assim também?

A nossa vida também precisa provocar isso nas pessoas. Se você deseja uma mudança no jogo da vida ou nessa grande partida chamada casamento, tente inspirar mais e exigir menos.


Marido não conseguiu comprar nenhum ingresso para a Copa do Mundo! =(